Reserva de emergência em momentos de crise: por que ter uma?

 Reserva de emergência em momentos de crise: por que ter uma?

Se você tem um pequeno negócio, sabe como a crise do coronavírus está afetando o mercado. As previsões não são concretas e as incertezas sobre o futuro só crescem. Por isso, acreditamos que esse é o momento para discutir a importância da reserva de emergência. 

Ela pode ajudar muito os negócios a passarem pelas crises. No post de hoje, vamos te dar dicas para você montar a sua com consistência e disciplina e lidar melhor com as instabilidades econômicas do futuro. Vamos começar?

TRÊS PRINCIPAIS APRENDIZADOS DE HOJE:

1.

A reserva de emergência, como o nome sugere, é uma quantia em dinheiro que você tem guardada para momentos emergenciais. Ela pode ficar guardada tanto em um banco como em um fundo de investimento. A reserva pode ser utilizada tanto para sustentar o seu negócio durante uma crise, como a de agora, como pode ser usada em momentos pontuais, no caso de uma reforma, por exemplo. O ideal é ter o suficiente para sustentar o seu negócio por 6 meses.  

2.

Para montar a sua reserva, é importante separar uma quantia todos os meses. Por isso, falamos que a disciplina e a constância são dois valores importantes para guardar dinheiro para o futuro. Na hora de definir o quando você deve economizar, primeiro precisa saber quanto gasta por mês. A partir disso, multiplique o valor por 6. O resultado corresponde ao que você precisa guardar. 

3.

Agora, para definir o quanto guardar por mês, você precisa estabelecer um tempo para realizar essa economia. Supondo que você queira montar a sua reserva durante um ano. Então, divida aquele resultado de quanto precisa economizar por 12 (o número de meses correspondentes). Assim, você descobre o valor mensal que vai ser destinado para a sua reserva de emergência. 

O que é e quando usar?

A reserva de emergência é uma quantia em dinheiro que você tem guardada em um banco ou fundo de investimento. Como o nome já diz, ela é para ser usada em momentos emergenciais. Mas quais seriam eles? Bom, hoje estamos vivendo um desses períodos com a crise do coronavírus.

Outros exemplos seriam: 

  • uma reforma de urgência, como canos rompidos, por exemplo
  • um mês com queda nas vendas
  • crises econômicas
  • equipe desfalcada
  • um projeto especial que exige mais contratações 

Ou seja, a reserva de emergência pode ajudar tanto em projetos muito pontuais como durante períodos mais prolongados de dificuldades financeiras. Para montar a sua reserva, é preciso separar um valor em dinheiro todos os meses. Assim, ao final de um ano, por exemplo, você já vai ter uma boa quantia guardada. 

Além disso, ter uma reserva de emergência evita que você peça empréstimos ao banco. O que é uma ótima alternativa, porque, assim, você não paga juros e nem fica preso a uma instituição financeira. 

Se você ainda não tem uma reserva de emergência para passar pelas crises e resolver urgências, vamos te ajudar a construir a sua para os próximos momentos emergenciais. Confira!

Como juntar

A principal dica que podemos te dar sobre como juntar o suficiente para a sua reserva de emergência é: disciplina e constância. Sem elas, dificilmente você vai conseguir separar uma quantia todos os meses. 

É claro que há situações em que realmente os seus recebíveis vão ser apenas suficientes para pagar as contas do mês. Sabemos que isso pode ocorrer eventualmente. Se for uma situação frequente, vale reavaliar seus gastos, afinal, o negócio precisa lucrar para crescer

Além disso, se você tem dívidas com o banco, primeiro, resolva esse ponto para depois começar a pensar na reserva de emergência. Isso porque o banco cobra juros e você acaba devendo cada vez mais. Então, utilize o dinheiro que sobrar para pagar as dívidas. Umas vez que todas elas forem quitadas, aí sim comece a juntar para a reserva. 

Nesse caso, faça um aporte todos os meses até chegar no valor desejado. Por isso, falamos em disciplina e constância. Se você não priorizar a construção da sua reserva de emergência, vai demorar muito mais para alcançá-la. 

Isso porque, no meio do caminho, pode surgir a vontade de fazer algo que não é tão fundamental para o seu negócio, como comprar uma máquina nova, por exemplo. Se o dinheiro da reserva for destinado a outro fim como esse, todos os meses alguma novidade vai aparecer e você vai acabar não guardando dinheiro. 

Quanto separar por mês

A resposta sobre quanto separar por mês vai variar de empresa para empresa. Afinal, cada uma precisa de uma determinada quantia em dinheiro para se sustentar. O ideal é ter o suficiente para manter seu negócio de 3 a 6 meses. 

Então, para isso, você precisa saber quais os seus gastos mensais e multiplicar pelo número de meses em questão. O resultado corresponde a quanto você precisa juntar no total. 

A partir desse valor, pense em um limite de tempo para chegar na quantia necessária. Por exemplo, se você precisa de R$ 60 mil e quer juntar isso em um ano, divida o valor por 12 (número de meses). No caso, você precisaria guardar R$ 5 mil todos os meses durante esse período para fazer sua reserva de emergência. 

Lembre-se de que, no cálculo para definir os custos mensais, você precisa incluir os gastos com aluguel, água, luz, gás, salário dos funcionários, produtos de compra recorrente e etc. 

Como dissemos, isso vai variar dependendo do negócio, mas tudo aquilo que você paga todos os meses (mesmo com uma pequena variação de preço, como no caso das contas de luz e água, por exemplo) precisa entrar no cálculo. Também inclua os gastos variáveis e possíveis imprevistos nessa conta. 

Onde guardar

Uma das melhores formas de guardar a sua reserva de emergência é colocar o dinheiro em um fundo de investimento de renda fixa. 

Para reservas de emergência, escolha fundos com alta liquidez. Ou seja, que permitam a retirada do dinheiro com urgência. Afinal, em fundos com a liquidez baixa, você pode ter que esperar até 30 dias para o dinheiro cair na sua conta depois de pedir o resgate. 

Outro ponto importante é o risco baixo, afinal, você precisa garantir que a quantia que depositou estará disponível para retirada no futuro. O baixo risco indica chances muito pequenas de perder dinheiro, então, é uma garantia de proteger seus investimentos. 

A melhor parte de construir sua reserva de emergência com a ajuda de um fundo é a rentabilidade. Como estamos falando de baixo risco, ela não é tão alta em comparação com a de fundos que oferecem riscos maiores, mas ela é superior à poupança, por exemplo. 

Então, você só precisa aplicar um valor qualquer para ver seu dinheiro crescer! É claro que, quanto mais tempo você deixar o investimento no fundo, mais ele vai render. Mas se você precisar retirar parte da quantia a qualquer momento, isso é possível.  

Outras ótimas opções para administrar o seu dinheiro para a reserva de emergência e que oferecem alta liquidez e baixo risco são:

  • Tesouro Direto Selic
  • CDB com Liquidez Diária
  • Letras de Câmbio com liquidez Diária

Veja as opções que o seu banco oferece para esses tipos de investimento e também pesquise por conta própria nas corretoras. Assim, você consegue ter mais dados para tomar as melhores decisões.

Esperamos que com este post você tenha entendido a importância de ter uma reserva de emergência para passar por momentos de crise e agora já saiba como montar a sua.  Se você gostou do conteúdo, pode aproveitar outro artigo nosso sobre como preservar o seu negócio durante a quarentena: Novas estratégias: como criar oportunidades em épocas incertas

Obrigada pelo papo e conte com a gente!

Veja também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *