O Pix é mesmo seguro?

 O Pix é mesmo seguro?

Agora que você já sabe o que é o Pix, como ele influencia o seu negócio e quais as diferenças desse sistema de pagamento instantâneo para outras modalidades, talvez esteja se perguntando: o Pix é mesmo seguro?

Pensando em responder a essa pergunta tão frequente entre empresas e consumidores, preparamos um artigo para acabar de vez com as suas dúvidas sobre Pix e segurança. Confira!

Pix e segurança

Ao longo da nossa série de artigos sobre o Pix, vimos que ele oferece disponibilidade, velocidade e conveniência para seus usuários. Além disso, uma das principais características do Pix é a segurança. 

A ideia é que a nova modalidade não só aumente a competitividade entre as instituições financeiras como promova também uma maior proteção na experiência de uso. 

Com isso, o Banco Central acredita que o Pix “possibilita a inovação e o surgimento de novos modelos de negócio e a redução do custo social relacionada ao uso de instrumentos baseados em papel”.

Mas quais são os requisitos de sistema necessários para fornecer experiências ainda mais seguras aos clientes? É o que vamos ver a seguir!

Requisitos de segurança para o Pix

Para oferecer essa modalidade de pagamento, primeiro, as instituições financeiras vão precisar garantir que o sistema atenda aos rígidos requisitos de segurança

definidos pelo Banco Central do Brasil. 

Ainda mais por conta da nova Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), amparar as informações dos clientes terá de ser uma das grandes preocupações das instituições. Assim, elas devem comprovar que mantêm as informações dos clientes seguras e que possuem ações de combate a crimes cibernéticos.

Disponibilidade e segurança

Os sistemas vão precisar estar acessíveis integralmente, 24h todos os dias da semana, inclusive nos feriados. Em outras palavras, é necessário que as instituições garantam 100% de disponibilidade e segurança dos seus sistemas para que as transações sejam feitas.

Escalabilidade 

Os bancos também vão precisar garantir escalabilidade, já que terão que lidar com aumentos escalonados de transações no futuro.

Experiência do cliente

Outro cuidado importante exigido para as instituições é relacionado à experiência do cliente. Para isso, vai ser necessário oferecer aplicativos fáceis de usar para início de pagamento, além de velocidade, disponibilidade e estabilidade.

O sistema de pagamentos instantâneo também vai precisar incluir serviços de suporte, gerenciamento de incidentes e análise de dados. Tudo para que os clientes consigam ter a melhor experiência possível com essa nova maneira de lidar com as finanças!

E aí, já se animou a adotar o Pix? No nosso próximo artigo da série, vamos falar sobre como o pagamento instantâneo pode ser feito via QR Code. Não vai perder, né?

Enquanto isso, você pode ler este conteúdo sobre jornada do consumidor: Jornada do consumidor: o que é e como mapear?

Obrigada pelo papo e conte com a gente!

 Fonte: https://www.gov.br/pt-br/noticias/financas-impostos-e-gestao-publica/2020/08/

registros-no-pix-podem-comecar-a-ser-feitos-a-partir-de-5-de-outubro

Veja também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *