Margem de contribuição: de olho na gestão financeira do seu negócio

 Margem de contribuição: de olho na gestão financeira do seu negócio

Sabia que a solução para a gestão financeira do seu negócio pode estar em um conceito chamado margem de contribuição? Talvez você já tenha sentido que a sua loja não está rendendo tanto quanto você esperava. Ou talvez você não saiba exatamente qual a viabilidade dos seus produtos. 

Será que o seu preço está correto? A solução para esses problemas pode estar na margem de contribuição. Se você nunca ouviu falar nisso, não tem problema. 

Ao longo do post, vamos te mostrar o que é a margem de contribuição, como calculá-la e quais benefícios ela traz para a sua empresa. Ao final do artigo, não esqueça de contar o que achou do conteúdo! 

Vamos começar?

TRÊS PRINCIPAIS APRENDIZADOS DE HOJE:

1.

A margem de contribuição é uma das métricas mais importantes para um negócio. Ela é calculada subtraindo as despesas e custos variáveis do valor das suas vendas. É uma das melhores técnicas de precificação e também indica o quanto um negócio é sustentável.

2.

Para calcular a margem de contribuição, é importante entender a diferença entre custos e despesas fixos e variáveis. Gastos fixos são aqueles que não dependem do volume de produção ou de vendas. Ou seja, independem da performance do negócio, como o salário dos seus funcionários. Já os variáveis correspondem àqueles que oscilam de acordo com o volume de produção ou vendas, como matéria-prima para fabricar um produto.

3.

O cálculo da margem de contribuição traz inúmeras vantagens para o dono do negócio: lucratividade, análise de viabilidade da venda, precificação assertiva e previsibilidade. Para colher todos os benefícios que a margem oferece, faça análise de preços com frequência e ajuste o valor dos seus produtos quando necessário.  

O que é margem de contribuição?

É uma das métricas mais importantes para o seu negócio. Ela também é conhecida como ganho bruto e indica o quanto o seu negócio é sustentável. 

Em outras palavras, ela mostra se a receita da sua empresa cobre os custos fixos e te traz lucros. O conceito de margem indica um limite de segurança para se proteger dos custos variáveis e não ficar no prejuízo.  

A contribuição refere-se a despesas fixas e garantia de lucro. 

De forma simples, a margem de contribuição é aquilo que sobra quando você subtrai os custos e despesas variáveis do valor das suas vendas. 

Com ela, você deve pagar as suas obrigações mensais e gerar caixa para alimentar o negócio. 

A maioria das empresas que não dão certo tiveram uma má gestão financeira. Para evitar que isso ocorra com a sua, é fundamental calcular a margem de contribuição. 

Por isso, é tão importante ter esse controle. Calcular a margem de contribuição te ajuda a fazer isso. 

Vamos ver como calcular?

Como calcular margem de contribuição?

Agora que você já sabe o que é margem de contribuição, deve estar ansioso para descobrir como calculá-la. 

Mas antes de irmos para a fórmula propriamente dita, precisamos entender o que são despesas e custos. 

  • Custos x despesas

Os custos são os valores de produção do seu produto/serviço, como matéria-prima, mão de obra, embalagem, manutenção de máquinas e equipamentos. 

As despesas, por outro lado, não estão diretamente ligadas ao produto/serviço, como aluguel, conta de gás e de luz.

  • Custos e despesas fixos x variáveis 

Quando falamos em custos e despesas fixos, nos referimos aos gastos que não dependem do volume de produção ou de vendas. 

São os valores que não estão ligados à performance da sua empresa, como o salário dos seus funcionários.

Já custos e despesas variáveis são aqueles que oscilam conforme o volume de produção ou vendas, como o material para fabricar determinado produto.  

Para calcular a margem de contribuição, é necessário saber seus custos e despesas variáveis. Por isso, você precisa registrá-los para aumentar seu controle financeiro. 

Agora que você já sabe o que são eles, vamos aprender a fórmula da margem de contribuição?

  • Qual a fórmula da margem de contribuição? 

Já falamos que a margem de contribuição é o resultado do valor das suas vendas menos os seus gastos variáveis. A fórmula de cálculo é a seguinte:

M.C. = Valor das vendas – (Custos Variáveis + Despesas Variáveis)

Vamos supor que você trabalhe no ramo alimentício e pretenda vender 100 bolos no mês a R$ 60 cada.

Se o custo de produção é de R$ 20 e as despesas variáveis somam R$10, a margem de contribuição fica assim:

M.C. = (100X60) – (100X20 + 100X10) = 3000

Neste caso, a margem de contribuição é de R$ 3000. 

Também é possível calcular o índice da margem de contribuição, medido percentualmente:

Índice (%) = (Margem de Contribuição/Preço de Venda)X100

No exemplo que demos da venda de bolos, o índice seria de 50 %, como mostra o cálculo a seguir:

% = (3000/6000)X100 = 50%

Essas fórmulas te ajudam a precificar o seu produto. 

Com elas, você pode determinar uma margem ideal e calcular quanto deve custar o seu produto para atingir essa margem. 

Se você quer chegar a uma margem de contribuição de R$ 5000, o cálculo ficaria assim:

5000 = (100Xpreço de venda) – (100X20 + 100X10) 

Assim, para atingir a margem desejada, seria preciso cobrar R$ 80 por bolo. 

  • Margem unitária

A margem de contribuição unitária é calculada por unidade de produto.

Continuando com o exemplo acima, se você deseja analisar a margem de contribuição unitária, o cálculo fica assim:

M.C.= 60 – (20+10) = 30 

Ou seja, a margem de contribuição de um bolo é R$ 30. 

Para saber o percentual de cada venda, é só seguir o cálculo:

IMC = Índice Margem de Contribuição = (Margem de Contribuição / Preço de venda)X100

Ou seja:

IMC = (30/60)X100 = 50%

  • Margem total 

Também é possível calcular a margem total, que é a média ponderada do faturamento. 

Vamos continuar com o exemplo da loja de bolos. 

Supondo que você comercialize brigadeiros e bolos, com margens unitárias de 20% e 50% respectivamente. 

Seu faturamento mensal foi de R$2.000,00. Neste mês, o produto de margem 20% teve R$ 500,00 de receita bruta. Já o produto de margem 50% conseguiu R$1000,00.

O cálculo ficaria assim:

MT = (500X0.2+1000X0.50)/1000 = 0,6 ou 60%

Ou seja, a margem total é de 60%.

Benefícios da margem de contribuição 

Agora que você já sabe calcular a margem de contribuição, vamos ver quais os benefícios que ela traz para o seu negócio?

  • Precificação Assertiva 

Para tornar o seu negócio sustentável a longo prazo, é preciso precificar seus produtos de forma inteligente. 

Afinal, o preço está diretamente ligado ao faturamento mensal. 

A boa notícia é que a margem de contribuição é uma das técnicas de precificação mais recomendadas. Nesse sentido, um planejamento financeiro pode ajudar. 

Afinal, controlar custos e despesas, e definir objetivos de rentabilidade são etapas fundamentais para precificar produtos de forma assertiva.

A margem de contribuição vai dizer se o preço que você cobra (ou deseja cobrar) para seus produtos vale a pena. Dependendo do resultado, você consegue ajustar esse preço de acordo com a margem pretendida. 

Além disso, com essa métrica, é possível calcular o quanto precisa vender para não ter prejuízos. 

Para saber mais sobre precificação de produtos, leia nosso artigo sobre o assunto. 

  • Análise da viabilidade das vendas 

Na loja de bolos, você também vende garrafinhas de suco natural e quer saber a viabilidade de vendê-las a um determinado preço. 

Supondo que você tenha um gasto total de produção de R$ 4 a unidade e cobre R$ 5 cada. Este mês, 50 garrafinhas foram vendidas. O cálculo ficaria assim:  

MC = (50X5) – (50X4) = 50

A margem de contribuição nesse caso é de R$ 50,00. Ou seja, no mês, a venda das garrafinhas contribuiu com apenas R$50 para o seu negócio. 

Nesse caso, valeria pensar em ajustar esse preço para aumentar a margem ou vender as garrafinhas em larga escala. 

Pense que, quanto mais apertada for a margem, mais riscos o seu negócio corre. Isso porque imprevistos acontecem e é preciso gerar caixa para manter um negócio. 

  • Previsibilidade 

Como vimos, com a margem de contribuição, você consegue visualizar facilmente quanto cada produto contribui nas contas mensalmente. 

Com isso, você consegue estabelecer metas mais assertivas de acordo com o seu negócio, além de ter mais controle sobre sua situação financeira. 

Vamos ver um exemplo?

Supondo que seus gastos fixos mensais sejam de R$3000. Isso quer dizer que a sua margem deve ser no mínimo R$ 3000. Assim, você consegue cobrir os gastos.

Então, você tem previsibilidade sobre quanto tem que vender todos os meses para atingir uma margem de contribuição mínima.  

Mas, além de apenas cobrir os gastos, é preciso pensar também nos lucros mensais do seu negócio. Vamos ver como o conceito ajuda nesse caso.   

  • Lucratividade 

Calculando a margem de contribuição, você tem maior controle sobre as finanças da sua empresa. Então, consegue formular melhores estratégias para lucrar mais. 

Para isso, olhe com atenção as margens dos seus produtos. Precificando da forma correta, você consegue elaborar seu mix de produtos e aumentar a sua lucratividade. 

Além disso, o cálculo também permite identificar qual o ponto de equilíbrio do seu negócio. Vamos ver o que é isso?

Margem de contribuição e ponto de equilíbrio 

O ponto de equilíbrio (também conhecido como break-even-point), é o quanto você precisa faturar para cobrir o custos e despesas fixos, sem lucro ou prejuízo. 

Ou seja, ele corresponde ao valor exato dos seus gastos fixos com o negócio. Para descobrir o ponto de equilíbrio é só somar o valor desses gastos. 

Uma vez que você identificou o ponto de equilíbrio, pode definir qual a margem ideal com base em quanto de lucro você quer obter.

  • Qual a margem de contribuição ideal para a empresa? 

Essa é a dúvida mais comum entre os empreendedores quando esse é o assunto. A verdade é que não existe uma margem ideal universal. Ela varia dependendo do produto e do negócio. 

Mas você pode definir qual a margem ideal para a sua empresa. É importante garantir que a margem pague as despesas que você tem e traga lucros ao seu negócio. 

Para isso, é preciso calcular seus gastos, descobrir o ponto de equilíbrio e pensar em quanto de lucro você quer obter no final do mês com a venda dos seus produtos. 

Assim, é você quem determina os objetivos financeiros para o seu negócio. Só que você não precisa fazer isso sozinho. 

Margem de contribuição: já calculou a sua? 

Ao longo do post, vimos que a margem de contribuição é identificada a partir de um cálculo simples, subtraindo seus gastos variáveis do valor de vendas. 

Um último conselho sobre o assunto é: analise sua margem com frequência e ajuste os preços quando necessário. Esse hábito faz toda a diferença para manter seu negócio alinhado com o mercado. 

Deixe seu comentário aqui embaixo dizendo o que você achou do nosso conteúdo.

Obrigada pelo papo e boas vendas!

Veja também

2 Comentários

  • Pura Logística, aqui no litoral norte de Sp são poucos os empresários que conhecem e deixam profissionais aplicarem estás fórmulas.
    Fazer parte desta família deve ser ótimo.

    • Rubens,

      Vem ser Stone com a gente!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *