Como a Hocus Pocus e a Germinou se reinventaram na quarentena para vender mais!

 Como a Hocus Pocus e a Germinou se reinventaram na quarentena para vender mais!

Durante a quarentena, um grande desafio dos pequenos foi manter a receita do negócio. No Brasil, estima-se que o prejuízo financeiro até agora tenha sido de R$120 bilhões. Principalmente para as empresas que não estavam no digital, o fechamento do comércio representou um alerta.

Por isso, aquelas que queriam manter suas vendas na quarentena, tiveram que se reinventar. É o caso da cervejaria Hocus Pocus e da loja de produtos naturais Germinou, que apostaram nas vendas online.

Ao longo do post de hoje, vamos mostrar qual foi o caminho seguido por essas empresas para superar a crise e encontrar novas estratégias, como a Lojinha Virtual. Vem ler e se inspirar!

TRÊS PRINCIPAIS APRENDIZADOS DE HOJE:

1.

A Hocus Pocus é uma cervejaria que nasceu em 2012, de uma parceria entre dois amigos apaixonados por cerveja e rock progressivo. Em 2018, começaram a produzir em uma fábrica própria, no interior do Rio de Janeiro, vendendo para bares e restaurantes cariocas e paulistas. Com o início da quarentena, os sócios tiveram que buscar alternativas para adaptar o modelo de negócio à realidade que se colocava e manter os 53 funcionários. Uma das saídas foi aderir à Lojinha Virtual.

2.

A empresa readequou o volume de produção, ajustou alguns preços e adotou pagamentos feitos por meio de um link enviado pelo WhatsApp. Um caminho semelhante foi traçado pela Germinou, loja de produtos naturais e veganos. Antes da quarentena, o negócio vendia apenas para outras empresas. Mas com o isolamento social, Tobias Biselli, dono da marca Germinou, decidiu adotar uma solução para vender diretamente para consumidores finais.

3.

A saída encontrada pelo empresário também foi a adesão ao modelo da Lojinha Virtual. Em três semanas de uso, ele percebeu como foi rápido estruturar sua vitrine online e viu benefícios nesse modelo para vendas feitas via WhatsApp. Outra vantagem foi a redução no número de mensagens recebidas dos clientes, agilizando o atendimento. Para o empresário, a loja virtual e o investimento nas redes sociais que fez durante a quarentena foram essenciais para a sobrevivência do negócio.

Hocus Pocus: a importância das vendas online 

Duas paixões em comum fizeram com que os cariocas Vinicius Kfuri e Pedro Butelli se tornassem amigos e depois sócios: rock progressivo e cerveja. Os dois se conheceram em um curso de mestre cervejeiro, arte que exerciam com a produção caseira para amigos. Até que um dia, perceberem que podiam criar um negócio a partir disso.

Então, em 2012, decidiram abrir a cervejaria artesanal Hocus Pocus, nome que traz uma referência tanto à alquimia da arte de fazer cerveja quanto a uma música da playlist que escutavam nas primeiras produções. Juntos, criaram cervejas premiadas que logo faziam parte da carta de bares, restaurantes e alguns mercados.

Desde 2016, os sócios contavam com um bar em Botafogo, o Hocus Pocus DNA. Já em 2018, iniciaram a produção de suas cervejas em uma fábrica própria em Três Rios, interior do Rio de Janeiro, próximo a Itaipava. Isso pouco tempo antes de começarem a vender para bares e restaurantes de bairros boêmios de São Paulo.

Mas, em 16 de março deste ano, logo no início da quarentena, tudo mudou e eles viram a necessidade de traçar estratégias rápidas e garantir a sobrevivência da empresa. Com o fechamento dos bares e restaurantes por conta do isolamento social, as vendas da Hocus Pocus caíram bruscamente. Então, era preciso correr para decidir como manter os negócios e os 53 funcionários.

A solução veio rapidamente. Em uma semana, os amigos já estavam com a Lojinha Virtual aberta e com as vendas feitas via link de pagamento por meio do WhatsApp. A loja virtual não conta com estoque, mas é fundamental para as vendas online, que eram a maior urgência da cervejaria naquele momento.

O coordenador de marketing da cervejaria, Pablo Santana conta que essa estratégia foi essencial para manter as vendas da empresa: “Foi crucial. Readequamos o volume produzido e ajustamos todos os nossos processos para vendermos direto para as pessoas em suas casas. Algumas funções foram readequadas também e alguns funcionários passaram a atender os pedidos pelas redes. Assim, conseguimos atingir nosso objetivo de manter o emprego de todos que trabalham aqui na Hocus Pocus”

Agora, a empresa continua nesse caminho, acreditando que as vendas online são o presente e vão ser o futuro. A logística ganhou ainda mais força e o treinamento em atendimento ao cliente virou rotina para a equipe comercial.

Para este ano, a cervejaria pretende aumentar os investimentos em Marketing Digital. Afinal, a Hocus Pocus entendeu que vai ser importante ampliar seus sistemas de divulgação e suas entregas, assim como otimizar um site customizável. As vendas para os clientes finais chegaram pra ficar.

Germinou: um novo modelo de negócio

Logo no início da quarentena, quando os bares e restaurantes da capital paulista tiveram de baixar suas portas pelas restrições trazidas pelo coronavírus, o empresário Tobias Biselli entendeu que teria de começar a vender de um novo jeito.

Seria preciso começar a atender diretamente os consumidores finais. Isso significava adotar um modelo diferente daquele que a Germinou, sua loja de alimentos naturais e veganos, tinha até então, de vender para outras empresas.

Tobias sabia que o desafio era grande e que não conseguiria fazer isso com a abertura de um e-commerce, como havia planejado, por ser mais custoso e levar mais tempo. Por isso, decidiu aderir ao projeto piloto da Lojinha Virtual.

Há três semanas usando esse novo modelo, Tobias acredita que uma das qualidades é a rapidez com que conseguiu montar sua vitrine virtual: “Levei meia hora para incluir cerca de 30 itens na minha lojinha, com foto, preço e descrição. Em 10 minutos já estava vendendo, achei a solução ótima para quem vai vender pelo WhatsApp”, afirmou o empreendedor. “Me tirou um trabalho operacional gigante em um momento que eu precisava de mais rapidez”.

A mudança também gerou agilidade no atendimento. Biselli diz ter sido poupado do trabalho enorme de responder um a um aos clientes que o procuram pelo WhatsApp. “Agora, envio o link da lojinha para que eles conheçam a loja e os pedidos chegam para mim pelo aplicativo, já com os dados e contatos dos clientes. Ainda tenho de tirar as dúvidas dos clientes, mas o volume de mensagens é menor e as vendas ganharam bem mais agilidade”.

O empresário paulista não consegue ainda mensurar o quanto as vendas melhoraram por conta da solução. Ele acredita que, além da escolha da Lojinha, ter investido em redes sociais para a comunicação com os clientes ajudou bastante, assim como a mudança de comportamento dos consumidores: “Muita gente passou a cozinhar em casa e isso nos ajudou porque as buscas por itens veganos como os nossos aumentou”.

No fim, a quarentena adiantou os planos da Germinou de vender para os consumidores finais. Esse novo cenário fez com que a empresa também remodelasse suas ideias de planejamento financeiro para o futuro. Tobias disse que pensa em montar um e-commerce próprio mais para frente e adotar ainda mais ações de comunicação digital.

Tanto a Hocus Pocus, quanto a Germinou usaram o momento de crise provocada pela Covid-19 para buscar alternativas para o próprio negócio. A saída, nos dois casos, envolveu o uso do Link de Pagamento e maneiras para facilitar a extensão das lojas físicas para o online.

Obrigada pelo papo e conte com a gente!

Veja também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *