8 aprendizados do isolamento social para o empreendedor

 8 aprendizados do isolamento social para o empreendedor

Com o isolamento social, os negócios tiveram que adaptar seu modelo à nova realidade. Agora, muitas cidades brasileiras já estão flexibilizando a quarentena e permitindo que alguns estabelecimentos abram suas portas.

Pensando retrospectivamente, quais aprendizados ficaram desse período para a sua empresa? No post de hoje, separamos 8 ensinamentos que o isolamento social deixou para o empreendedor e como eles podem ajudá-lo no futuro. Vem ler!

TRÊS PRINCIPAIS APRENDIZADOS DE HOJE:

1.

Um dos grandes aprendizados que o isolamento social trouxe para os negócios foi a necessidade de digitalização. A presença nas redes sociais, o atendimento virtual e as vendas online foram a forma encontrada para os pequenos continuarem em contato com seus clientes e oferecerem seus produtos. Da mesma forma, o serviço humanizado foi um diferencial neste momento de incerteza, assim como as estratégias de fidelização. Empresas com uma cartela de clientes fiéis puderam contar com o apoio e a recomendação dessa comunidade.

2.

Outro aspecto importante para os empreendedores durante a quarentena foi a habilidade de negociação. Afinal, com o situação excepcional gerada pela pandemia, muitos contratos tiveram que ser revistos, como de fornecedores e locadores, por exemplo. Para o futuro, vale continuar apostando em técnicas para negociar melhor. Afinal, como não sabemos o que nos espera, talvez esses contratos precisem ser novamente formulados.

3.

Já em relação às equipes, os empresários tiveram que lidar com momentos de muita incerteza dentro da empresa, buscando manter o equilíbrio emocional, a organização e o foco da equipe. O home-office foi amplamente adotado pelas empresas, que buscaram adaptar seu modelo de trabalho à nova realidade. Aqui, a tecnologia também teve um papel importante, para auxiliar com a comunicação entre os colaboradores e a manutenção das operações. De forma geral, a palavra que definiu os aprendizados durante a quarentena foi reinvenção. Para o futuro, uma mentalidade que valorize esse aspecto pode ser um diferencial para os pequenos negócios.

1. Digitalização 

Com o comércio fechado, empresas que antes só atuavam no meio físico tiveram que migrar para o digital. Mesmo aquelas que já tinham alguma presença online passaram a fortalecer esse ponto de contato com o consumidor.

Os clientes passaram a comprar pela internet de maneira muito mais intensa do que antes. Além, claro, de usarem os aplicativos de entrega para fazer mercado, pedir comida e outros itens de necessidade. Para acompanhar esse movimento, os negócios deram um gás nas redes sociais e povoaram os marketplaces com suas ofertas.

O processo de transformação digital foi acelerado e, para o futuro, deve continuar a todo vapor. Por isso, mesmo com a reabertura das lojas, as empresas não devem abandonar o digital. Mesmo porque, as compras online se tornaram um hábito ainda mais forte entre os consumidores.

Se você teve sucesso com as vendas online, não deixe isso de lado e busque se aprimorar cada vez mais. Teste novos modelos também para entender o que funciona melhor para o seu público. Se, hoje, você vende apenas em um marketplace, por exemplo, por que não testar estratégias comerciais no Instagram ou no WhatsApp?

Com o desenvolvimento da tecnologia, comprar com um click vai ficar cada vez mais fácil e também os pequenos precisam estar preparados para isso.

2. Atendimento

A digitalização também atingiu o atendimento durante a quarentena. Sem que os clientes pudessem sair de casa, a forma encontrada por eles para entrar em contato com as empresas foi pelo atendimento online ou por telefone.

Para atender todas as demandas, as empresas tiveram que apostar em uma estratégia forte que suportasse o volume de solicitações online. É claro que nem todos os negócios tiveram sucesso nesse ponto. Nestes casos, para o futuro, é preciso analisar o que deu errado e como o serviço pode ser aprimorado.

Ao mesmo tempo, diante da situação atual, oferecer um atendimento humanizado para as pessoas também foi e continua sendo um diferencial. Afinal, o momento pede uma sensibilidade maior por parte de todos.

A humanização dos serviços, mesmo com o auxílio da tecnologia, já era uma discussão frequente antes do isolamento social. Agora, mais do que nunca, ela deve ser adotada pelas empresas que desejam acolher verdadeiramente seus consumidores.

Da mesma forma, as estratégias de fidelização foram bastante importantes diante das incertezas enfrentadas pelos negócios. Afinal, se a perda de clientes sempre foi um problema para as empresas, com a crise atual, mais ainda. Além disso, os consumidores fiéis também são promotores da marca e podem ajudá-la em momentos de dificuldade, apoiando causas ou até contribuindo financeiramente para os seus projetos.

3. negocioação

Empreendedores que não tinham habilidade de negociação tiveram que aprendê-la na marra durante o isolamento. Isso porque, para muitos, ficou insustentável manter a mesma dinâmica das operações. Assim, muitas PMEs precisaram rever contratos com fornecedores, pedir condições excepcionais e negociar com locadores.

Se você viveu uma situação como essa, pense em que tipo de habilidade foi importante desenvolver para ter sucesso nas suas negociações. Já se você identificou que precisa aprimorar esse aspecto, não hesite.

Continue buscando formas de aperfeiçoar as técnicas para entrar em um acordo. Não sabemos como o futuro com a pandemia vai ser. Por isso, é possível que você precise negociar mais alguns contratos. Buscando qualificação agora, você fica preparado para o depois.

4. parcerias

Uma das saídas encontradas por alguns empreendedores foi buscar parcerias com outros pequenos para criar mais oportunidades de vendas durante este momento de incerteza.

Se você encontrou empresas com o mesmo propósito da sua, busque manter esse relacionamento no futuro. Afinal, boas parcerias fortalecem a ambos os lados e podem trazer frutos.

A longo prazo, você e seus parceiros têm mais abertura para criarem ações inovadoras, uma vez que já vão ter maior intimidade com o funcionamento das operações um do outro.

5. Planejamento financeiro

Um dos grandes prejuízos para as pequenas empresas com a crise do Coronavírus foi financeiro. Isso deixou evidente a falta de planejamento de alguns negócios e até o despreparo para lidar com uma situação econômica desfavorável.

Se você sofreu com este momento e percebeu que precisa prestar mais atenção à sua gestão financeira, leve esse ensinamento para os próximos meses.

Muitos negócios perceberam que não teriam capital de giro suficiente para manterem suas operações durante alguns meses. Mesmo porque, até agora, não sabemos ao certo por quanto tempo esta situação vai durar.

Ao mesmo tempo, o momento obrigou as empresas a analisarem seus gastos e verem o que realmente importa e o que é dispensável para as operações. Com isso, os pequenos aumentaram seu controle sobre os números do negócio, o que permite tomar decisões com resultados mais previsíveis e riscos calculados.

Por fim, veja a necessidade da sua empresa de criar uma reserva de emergência para evitar apertos no futuro. Assim, você vai ter um fôlego maior para pensar em um plano de ação para superar a próxima crise. Neste artigo, damos algumas dicas sobre como fazer isso: Reserva de emergência em momentos de crise: por que ter uma?

6. Gerenciamento de equipe

Sem dúvidas, os últimos meses trouxeram momentos de tensão, tanto internas para cada um, como dentro das empresas. Afinal, a sensação de incerteza e instabilidade causou insegurança em relação ao futuro e à manutenção dos empregos.

Os líderes tiveram que ter uma postura ainda mais ativa para lidarem com a situação e tomarem ações decisivas para definir caminhos. Organização e equilíbrio mental tiveram um grande papel para manter o foco do time.

Quais aprendizados você tirou no gerenciamento da sua equipe? Monte um documento com as ações que foram bem sucedidas e com aquelas que você acredita que podem melhorar para desenvolver o seu perfil de liderança.

7. trabalho home-office

Lembra que falamos sobre digitalização? Então, ela não atingiu apenas a forma das empresas venderem, mas também, de trabalharem. O home-office só foi possível por conta da infinidade de ferramentas apropriadas à comunicação à distância, como os pacotes da Google e as reuniões virtuais do Zoom.

Nesse caso, o virtual aproximou as pessoas e as equipes de trabalho, permitindo o funcionamento das operações. Muitas empresas, inclusive, decidiram adotar o home-office como modelo para o futuro. É o caso da sua?

Se sim, faça uma avaliação do período, marcando quais são os pontos de melhoria e o que funcionou. Não esqueça de pedir uma análise dos colaboradores para entender o que eles pensam sobre trabalhar remotamente.

Além disso, certifique-se de que sua empresa está protegida contra fraudes virtuais, que aumentaram durante a pandemia. Assim, mantém um ambiente de qualidade e seguro para os seus colaboradores no home-office.

8. Reinvenção

Em praticamente todos os tópicos anteriores, vimos a necessidade das empresas repensarem seu modelo de negócio para lidarem com a crise da Covid-19. Com a reinvenção, os pequenos puderam se manter, mesmo de portas fechadas ou operações reduzidas.

Alguns inovaram na criação de produtos, passando a vender máscaras e álcool em gel. Outros fortaleceram seu sistema de delivery e buscaram maior presenças nas redes. O aprendizado que fica deste momento é que novas estratégias exigem criatividade e planejamento para uma boa execução.

Se você quer ver uma histórias inspiradora de reinvenção durante a quarentena, confira como a Paint & Drink, um negócio que começou 100% físico, migrou totalmente para o online e expandiu seu número de clientes: 6 dicas e 3 conselhos do Paint & Drink para se reinventar na quarentena.

Obrigada pelo papo e conte com a gente!

Veja também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *