Nos últimos meses, uma sigla vem sendo figurinha carimbada nos noticiários econômicos: a taxa Selic, taxa de juros básica da economia brasileira. Atualmente em 5%, a taxa vem caindo desde 2017. A taxa atual é a menor da série histórica, medida desde 1996.

Mas, a queda da Selic é boa pra você? Como você pode aproveitar a taxa mais baixa para alavancar os seus negócios e acertar as contas da empresa? É isso que vamos te dizer hoje nesse post.

Ok, mas o que é a taxa Selic?

Sigla para Sistema Especial de Liquidação e Custódia, a Selic é definida a cada 45 dias em uma reunião do Comitê de Política Monetária (Copom). O Copom é um órgão do Banco Central que tem como atribuições principais estabelecer as diretrizes da política monetária e também definir a taxa básica de juros.

A Selic influencia todas as outras taxas de juros no país, impactando o valor cobrado em empréstimos, financiamentos e em investimentos. Para definir o valor da Selic, o Copom leva em consideração alguns indicadores financeiros do país, além de indicadores internacionais. A partir disso, decide se a taxa vai ficar estável, aumentar ou diminuir.

O Banco Central usa a Selic como instrumento para controlar a inflação. Taxas mais altas significam juros mais altos em financiamentos, empréstimos e no cartão, o que acaba desestimulando o consumo e diminuindo a inflação. Com inflação baixa, o Banco Central pode reduzir os juros para que os juros de empréstimos mais baixos possam esquentar o consumo.

Já sabemos que a baixa na Selic é uma estratégia do Banco Central para aumentar o consumo. Aliado a uma inflação baixa, que preserva o poder de compra do consumidor, esse pode ser um bom momento para investir na sua empresa.

É hora de pegar um empréstimo?

Mesmo que a Selic seja a taxa básica, isso não significa que os bancos sigam esse valor à risca. Os bancos não emprestam dinheiro com os juros da Selic, já que a taxa que eles cobram inclui outros itens, como custo básico e o lucro da instituição, por exemplo.

Mas a taxa serve de referência para que as instituições financeiras definam os seus juros. Quando a Selic sobe, as outras taxas tendem a subir. Se cai, as taxas tendem a cair.

Quando a Selic está alta, os bancos preferem emprestar dinheiro para o governo, que é considerado um bom pagador, comprando títulos da dívida pública. Quando os juros caem, pessoas físicas e jurídicas voltam a ser boas oportunidades de negócio para instituições financeiras.

Se pedir um empréstimo para investir na sua empresa já estava no seu radar, a hora é agora. Mas fique atento: a queda dos juros pode demorar a chegar ao consumidor final. Compare e veja várias opções antes de contratar.

Já tenho um empréstimo de quando a taxa Selic estava mais alta. O que faço?

Bom, se você já assinou um contrato de empréstimo quando a taxa estava mais alta, nada vai mudar nesse empréstimo que você já pegou. Entre 2014 e 2016, por exemplo, a Selic bateu mais de 14%, portanto empréstimos daquela época foram contratados com juros muito mais altos do que os de agora.

Uma coisa muito importante para levar em conta antes da renegociação de dívidas é fazer um pente fino nas suas contas atuais e estabelecer o valor que você realmente pode pagar pelas parcelas. Tenha em mente que ser um bom pagador e estar adimplente são pontos fundamentais para conseguir uma boa renegociação. Tente não comprometer mais que 30% do seu orçamento com empréstimos!

Você tem três opções se quiser renegociar uma dívida:

  • tentar junto ao próprio banco que você contratou o empréstimo. Lembre-se que você dificilmente conseguirá um empréstimo com o mesmo valor da Selic, mas se o valor for muito acima, tente as outras opções
  • Você também pode tentar a portabilidade da dívida para outro banco que ofereça menores juros. Mas fique atento: o número de parcelas não pode aumentar. Leia bem o contrato e observe se você realmente está contratando um empréstimo menor
  • Por fim, você pode aproveitar as taxas mais baixas para tomar outro empréstimo para quitar o anterior. Apesar de estar pagando menos juros, observe que você vai estar adquirindo uma nova dívida.

 ATENÇÃO: só pegue empréstimos de instituições já consolidadas no mercado. É preciso tomar muito cuidado com golpistas, principalmente na internet.

Com a queda da taxa Selic, como ficam os investimentos?

Com a queda da Selic, muito se diz sobre investimentos. Pipocam artigos e vídeos na internet dizendo que agora a poupança está mais vantajosa que outros investimentos. Não caia nessa! A queda da Selic também impacta no rendimento da poupança. 

Quando a Selic está acima de 8,5% ao ano, a poupança rende 6,17% ano ano (0,5% ao mês) mais a taxa referencial, chamada TR. Com a Selic menor que 8,5%, como é o caso de agora, o rendimento da poupança cai para 70% da Selic mais a TR. Ou seja, a poupança continua sendo um investimento com retorno baixo.

Agora você já sabe como a baixa da Selic pode influenciar os seus negócios e já está pensando em como vai renegociar seus empréstimos, não é mesmo? Comenta aqui se você ainda tiver alguma dúvida que a gente te explica rapidinho.

Obrigada pelo papo e boas vendas!